Porque Goiás

Economia

O Indicador Trimestral do Produto Interno Bruto (IMB/Segplan) sinalizou crescimento superior para Goiás, apontando para um montante de R$ 121,7 bilhões no ano de 2012, com taxa de crescimento de 4,2%. Este valor equivale a uma participação de 2,7% no PIB brasileiro. No período que se iniciou em 2002, o PIB goiano cresceu, em termos reais, a uma taxa média de 5,0% ao ano, desempenho este acima do nacional que resultou em 3,6% no período. Este bom desempenho propiciou avanços significativos e manteve Goiás no seleto grupo dos dez estados mais ricos do País. Goiás é a nona economia brasileira. O crescimento de Goiás dos últimos anos se deu de forma equilibrada entre os diversos segmentos que compõem a economia. De 2002 a 2011 a agropecuária teve um crescimento real de 6,2%, a indústria 5,3% e serviços 4,6%, em média, ao ano. Tem contribuído para o bom desempenho, a ampliação no número de empresas ligadas ao segmento industrial, tais como: indústrias de fabricação de etanol e açúcar, fabricação e montagem de automóveis, medicamentos genéricos, beneficiamento de commodities minerais e agrícolas entre outras. Seus maiores polos urbanos, Goiânia e Anápolis, vêm se destacando e constituindo regiões dinâmicas do País, mesmo que afastados do grande eixo polarizador SP e RJ. Goiânia, uma cidade planejada nos anos 30, vem se transformando muito rapidamente em um polo econômico, diversificando suas funções, mas com sua força ligada à prestação de serviços. Anápolis, situada entre Goiânia e Brasília, se beneficia dessa localização privilegiada e vem se firmando como polo industrial regional, onde estão localizadas diversas empresas de produção de medicamentos genéricos, centro de distribuição de comércio atacadista, montadora de veículos, entre outras grandes plantas.

Fonte: IBGE, IMB
Elaboração: Instituto Mauro Borges / Segplan-GO / Gerência de Contas Regionais e Indicadores - 2013.

Distritos Industriais da CODEGO:

CODEGO EM NÚMEROS

INDÚSTRIAS ESCRITURADAS
INDÚSTRIAS EM ASSENTAMENTO